Revista

A IDEIA: revista de cultura libertária
II série – ano XLIII – vol. XX – n.ºs  84/85/86 – Outono de 2018
Descarregar directamente aqui este número da revista
(ficheiro PDF com baixa resolução)

LIMIAR

Abrimos com a evocação de Rimbaud, a que se segue um conjunto consagrado ao surrealismo. Publica-se a correspondência que Mário Cesariny enviou para Guy Girard já na década final do século XX e que teve como ponto de partida a declaração que o Grupo Surrealista de Paris fez em 1992 a propósito do quinto centenário da viagem de Cristóvão Colombo e da “descoberta” da América. Traduzir e publicar esta declaração, a que Cesariny se associou na época, é um modo de darmos a perceber ao leitor que o surrealismo não foi um acontecimento confinado ao curto período entre as duas guerras mundiais do século XX mas um movimento
que tem vivido depois disso uma longa vida, com momentos marcantes em que afirmou o que mais ninguém foi capaz de dizer. Vão nesse sentido os documentos que damos a conhecer do grupo de Paris e a longa entrevista com o Grupo Surrealista de Madrid, a primeira que entre nós dá notícia das actividades desse colectivo, hoje em plena acção.

Agostinho da Silva viveu e trabalhou na primeira metade da década de 40, a sua fase mais fecunda como escritor e pedagogo, numa casa que ficava a cerca de vinte metros do andar que Mário Cesariny habitava. Cruzaram-se com certeza muitas vezes e Agostinho terá ouvido deliciado o jovem então desconhecido interpretar ao piano Chopin e Lizt, de janelas abertas, nas noites quentes de Verão. Prezamos muito o “caminho libertário do Amor” que existe em Agostinho e por isso o lembramos neste número. Regressará no próximo volume da revista, já que muito material teve de ficar em lista de espera por absoluta falta de espaço. Desde o final do século XVIII que as ideias libertárias estão em formação. Com mais de 200 anos – tomamos como referência Political Justice de William Goodwin – elas vivem ainda a sua infância, à procura da sua afirmação plena. O libertarismo não é um fenómeno histórico de superfície, como o bolchevismo pode ser; é uma pulsão ingénita do ser, que se manifesta em momentos diversos, de formas variadas e com nomes distintos – daí a atenção que dedicamos ao taoísmo. A crise da social-democracia – e quase toda a esquerda marxista radical tem hoje um programa social-democrata – é evidente. Incapaz de abandonar
o modelo produtivista, está limitada pela linguagem da economia. Não vive sem a ideia de crescimento. Na viragem histórica do ANTROPOCENO, com alterações naturais em grande escala,as ideias libertárias parecem assim destinadas a protagonizar o papel de corrente dissidente de grandes dimensões onde se jogará a alternativa ao modelo desenvolvimentista. Para
estarmos à altura das mobilizações que acontecem desde a cimeira de Seattle e que tiveram já um momento alto no movimento “occupy” temos de
reconhecer que os instrumentos de intervenção de que o movimento dispõe envelheceram e estão muito aquém das exigências. Murray Bookchin deixou-nos um conjunto de ferramentas em torno das noções de “municipalismo libertário” e “confederalismo democrático”. A partir do que se passa no Curdistão ocidental, onde se ambiciona administrar territórios de vasta dimensão sem passar pelo Estado, o municipalismo parece ser umas das chaves do nosso debate. Deste assunto pode o leitor encontrar notícia no presente número, tal como do livro de João Freire, Um projecto libertário sereno e racional – tentativa de redimensionar a intervenção libertária que merece também atenção e discussão.

A IDEIA

Índice

LIMIAR 7
Stefan Zweig – Rimbaud 9
Paulo Jorge Brito e Abreu – Nova Fala de Shakespeare 16
Guy Girard – Mário Cesariny Gravado Automaticamente 18
Cartas Inéditas de Mário Cesariny para Guy Girard 21
Grupo Surrealista de Paris – “1492-1992” 27
3 Documentos do Grupo Surrealista de Paris [1958; 2003; 2017] 32
Vida & Milagres do Grupo Surrealista de Madrid 36
José Manuel Rojo & José Sagasti – Esclarecimento Provisório do Incêndio Interior 59
Laurens Vancrevel – Eugenio Castro e o Materialismo Poético 62
Maria Paiva – O Jogo ou a Cobra que Morde a cauda 64
Mário Botas – Poema (Inédito) 65
E.M. de Melo e Castro – Abuso de Liberdade de Imprensa 66
Carlos Mota de Oliveira – O Menino Surrealista 70
Rui Sousa – “O Grande Cidadão” de Virgílio Martinho 71
Cadáver Esquisito de Fernando Grade, Manuel de Seabra e Vimala Devi 79
José Carlos Costa Marques – A Morte Discreta de
Afonso Cautela [1933-2018] 80
Carta de Vitor Silva Tavares a Luiz Pacheco 86
Entrevista a Pinar Selek: “O Curdistão em Perspectiva Libertária” 87
Ana da Palma – Ler e Reler Ursula Kroeber Le Guin 92
Maria Antónia Lima – A Imaginação Ética de Ursula Le Guin 94
Teresa Xavier Fernandes – O Pós-Anarquista 97
Francisca Bicho – António Gonçalves Correia: Um Crente na Anarquia 107
Entrevista a Giuseppe Aiello: “Anarquia e Taoísmo” 111
José Pais de Carvalho – O Taoísmo 117
Guy Girard – André Breton na China 121
Carlos Mota de Oliveira – O Menino de Pequim 126
Maria Estela Guedes – George Agostinho 127
José Flórido – A Maravilhosa Utopia 129
Paulo Borges – O Novo Paradigma da Consciência
em Agostinho da Silva 133

António Cândido Franco – A Biografia de Agostinho da Silva 139
Carta de Maria Gabriela Agostinho da Silva Rodrigues 147
Miguel Real – Agostinho da Silva: A Igualdade entre os Homens 149
Cartas Inéditas de Agostinho da Silva para Joel Serrão 154
António Salvado – “Ergue-se o Sonho…” 162
Francisco Cardo – Dois Poemas 163
Júlio Conrado – Agostinho da Silva Ficcionista 164
Sofia A. Carvalho – Agostinho da Silva e Friedrich Hölderlin 166
António Telmo – Agostinho da Silva 174
Luiza Dunas – O Filósofo ou Assim como era no Princípio 177
Cartas Inéditas Agostinho da Silva/Maria Cecília Correia 178
Risoleta C. Pinto Pedro – Um Agostinho em Paris 182
Luiz Pires dos Reys – Réplica dos 15 em demanda do seu 515 187
João Carlos Raposo Nunes – Carta do Poetinha Camarada 197
Ruy Ventura – Antropofagia 198
Paulo Jorge Brito e Abreu – Maias e Mel para o Maio de 68 199
João Freire – Maio de 68 na Revista
A Ideia 200
Tomás Ibañez – Mayo del 68 203
Manuel Silva Ramos – Maio 68 210
Nuno Júdice – Viagem por um Outro Tempo 211
Fernando Pereira Marques – O “Desejo de Revolução” 213
Eduardo Medeiros – Notas a Propósito do Maio Belga 217
Elsa Catarina Oliveira – Tinhas Razão Modigliani 221
José Maria Carvalho Ferreira – Maio de 68 e o seu Rescaldo 222
Maria Paiva – Dois Sonetos 229
Jorge Castro – As Palavras são Faróis 230
Abel Neves – Um Sinal de Fumo 231
Entrevista a Levi Condinho: “O Jazz foi a minha Morte de Deus” 233

LEITURAS & NOTAS
Laurens Vancrevel – Ron Sakolsky e o Anarquismo Surrealizado 243
A. Cândido Franco – Mário Cesariny e a Revolução de 1974 244
Comunicação de Mário Cesariny ao I Congresso da A.P.E. [Maio, 1975] 245
A. Cândido Franco – Mário Cesariny e o Neo-Realismo 247

Maria João Pereira Marques – Sobre o Neo-Realismo de Mário Cesariny 248
“Notas sobre o Neo-Realismo” de Mário Cesariny [1945-46] 249

Jesús Sepúlveda – Realismo Onírico 253
Murray Bookchin e John Zerzan 254
A ZAD de Notre-Dame-des-Landes 255
Pierre Thiesset – Tolstoi contra Lenine 256
Pierre Thiesset – Leão Tolstoi [1828-1910] 257
René Berthier – A Revolução Russa: um Desafio Político 259
Pedro Martins & Risoleta P. Pedro – Uma Tarde na Federação Anarquista 263
Tomás Ibañez – O Anarquismo em Paris antes de Maio de 68 264
João Freire – Zé Maria 265
Fernando Dacosta – Agostinho da Silva e Fernando Pessoa 269
António José Queiroz – Agostinho da Silva (na Assembleia da República) 270
Maurícia Teles da Silva – Entre Bocage e Agostinho da Silva 275
Emanuele Pelilli – Walter Benjamin: Entre Judaísmo e Anarquismo 278
Michael Löwy – Franz Kafka et l’Anarchisme 279
Jorge Martins – A Inquisição em Sintra 285
Judith Malina – As Minhas Três Identidades 287
Eduardo Colombo [1919-2018] 288
João Freire – José Hipólito dos Santos [1932-2017] 289
José Hipólito dos Santos – Memorial da Prisão do Aljube 289
António de Macedo [1931-2017] 292
André Guerreiro – João Freire e o Partido Libertário 292
Paulo Guimarães – “A Ideia”
na Rede 293

REGISTO BIBLIOGRÁFICO 295
[A. Cândido Franco, João Freire, André Guerreiro, Paulo Guimarães,
A. J. Laskar, Pedro Morais, Mário Rui Pinto]

Beldiabo – O Melhor do Mundo 307
Beldemónio – Um Bombista 309

ARQUIVO & REGISTO 310
Novos Colaboradores 317

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s