A Ideia 81/82/83 (2017)

A IDEIA: revista de cultura libertária

II série – ano XLIII – vol. XX – n.ºs  81/82/83 – Outono de 2017

Descarregar (PDF, 37 Mb)

Editorial

A Ideia regressa em 2017 reafirmando a sua marca identitária entre as publicações portuguesas, até da área em que nasceu e se situa, através da atenção que consagra ao surrealismo como “caso de estudo” mas também como prática actuante e “modo de vida”.

Além dos documentos e dos textos que o leitor pode encontrar neste número que se prendem com o conhecimento activo desse movimento e das suas figuras portuguesas, republicamos na secção “Leituras & Notas” o editorial do número duplo 30/31 d‟ A Ideia (Outono, 1983), consagrado à criação picto-poética e que contou com o empenho de Mário Cesariny. Escrito e publicado há 34 anos, o texto não assinado mas redigido por Miguel Serras Pereira mostra a continuidade entre o passado e o presente desta revista e ilustra a seu modo o entusiasmo que desde há muito votamos ao surrealismo e às suas aspirações indeléveis de liberdade, de amor, de imaginação e de poesia.

Um século depois da revolução russa de 1917, com certeza o evento que mais marcou o desenvolvimento da história mundial no século XX, pareceu-nos indispensável, mais ainda numa publicação que teve como referencial de origem a cultura operária, reflectir sobre este acontecimento com as perspectivas e as ideias que nos são próprias. Ao longo das várias secções deste volume apresentamos um conjunto diverso de materiais sobre o evento, uns amplamente divulgados internacionalmente, mas deficientemente conhecidos entre nós, como os respeitantes à figura de Nestor Makno e aos sucessos de Cronstadt de Março de 1921, outros quase desconhecidos, como os que documentam o impacto da revolução russa na imprensa operária portuguesa da época – e numa altura em que o jornal A Batalha ainda juntava Bakunine, Kropotkine, Lenine e Trotsky. Neste capítulo, além dos estudos de Paulo Eduardo Guimarães e Gabriel Rui Silva, chamamos a atenção para o levantamento feito por António Baião, incidindo na revista Sementeira, barómetro afinadíssimo dos eventos russos então em curso. Cumpre destacar a figura do operário caldeireiro Hilário Marques, director da publicação, de quem se republicam alguns dos editoriais então dados à estampa. São peças notáveis de independência, de espírito crítico e de perspicácia analítica, valores aliás comuns ao escol operário da época, formado nos valores emancipadores do sindicalismo libertário e todo notavelmente auto-didacta.

Por fim queremos assinalar a republicação do texto de José Pedro Zúquete, publicado pela primeira vez na revista Análise Social (n.º 221, vol. LI, 4.º trimestre, 2016 pp. 966-989), não por estarmos de acordo com tudo o que diz – estamos longe até dalguns enfoques – mas por nos parecer que pela primeira vez, ao menos nos tempos mais recentes, um texto exterior ao movimento, escrito por um jovem politólogo, a quem agradecemos a autorização que nos deu para reproduzir e comentar o seu trabalho, mostra um genuíno interesse pela história das nossas ideias e um rico e actualizado acervo de informações sobre uma parte do anarquismo contemporâneo, podendo assim tornar-se num ponto de reflexão interna. Daí o pedido que fizemos a dois históricos da revista, João Freire e Jorge Leandro Rosa, para comentarem o texto, que levanta porém questões – nas relações do anarquismo com a violência – que os dois comentários aqui publicados, que só comprometem os autores, não esgotam. É pois possível que a ele regressemos em próximo número. Os libertários bateram-se por uma sociedade livre e sem coacções e por isso há 100 anos não puderam seguir os rumos da revolução russa. Continuam hoje a desejar uma sociedade livre e cooperante, sem coacções, sem guerras, sem violências e por isso não podem aceitar a violência – a desobediência civil como Thoreau, Gandhi e Luther King a praticaram, mesmo quando ilegal, valendo por isso aos seus autores a cadeia, é eticamente irrepreensível – como ponto de partida da sociedade a que aspiram.

A IDEIA

Junho de 2017

Índice

Maria Paiva – Soneto

Beldiabo – Carta

Pedrogão Grande: É preciso ouvir Cassandra

Paulo Jorge Brito e Abreu – Cruzeiro Seixas

Cláudia Rita Oliveira – Artur – O Homem Poeta

Vários – Conversa com Cruzeiro Seixas

Virgílio Martinho – El Jovem Azul

Fernando J. B. Martinho – Virgílio Martinho: Poeta

Miguel Real – Virgílio Martinho

Cristina Dias – Mário Cesariny/Natália Correia

Luís de Moura Sobral – A Retrospectiva Surrealista de Montreal

Fernando Alves dos Santos/Cruzeiro Seixas – Correspondência

Luiz Pacheco/ Fernando de Paços – Correspondência

Sofia Santos – Luiz Pacheco/Luís Amaro

Documento da Intervenção Surrealista em Portugal [1967]

Isabel Mendes Ferreira – Fernando Ribeiro de Mello

J. M. Lo Duca – Duas Cartas a Sergio Lima [1967]

Perfecto E. Cuadrado – Portugal, Surrealismo

Miguel F. Mochila – Eugénio de Castro, precursor do surrealismo?

José Nunes da Rocha – Notas para uma Heteronímia

Henrique Manuel Bento Fialho – Quarta-feira de Cinzas

Amadeu Baptista – Três poemas

Fernando Venâncio – O Saque

Alexandre Vargas – Dois Sonetos

Maria Estela Guedes – Psico

Pasta «Revolução Russa»

Emma Goldman – Recordações de Kropotkine

Ida Mett – Uma Terceira Revolução Soviética

Manifesto dos Sublevados de Cronstadt [Março de 1921]

Emma Goldman – Memorial de Cronstadt

Carlos Taibo – Para entender lo ocurrido entre 1917 y 1921

–– Cronologia [1861-1922]

Conversa com Carlos Taibo

J. M. Carvalho Ferreira – Contradições e Equívocos da Revolução Russa

Ana da Palma – Dez Dias que Abalaram o Mundo

Júlio Henriques & outros – A Questão Camponesa

Joëlle Ghazarian – Dois Poemas

António Baião – A Revolução Russa na Imprensa Operária

Hilário Marques – Editorial d‟A Sementeira [Fevereiro, 1919]

Jaime Brasil – Sobre um livro de José Carlos Rates [1924]

Ferreira de Castro [?] – Nono Aniversário da Revolução Russa [1925]

Gabriel Rui Silva – Manuel Ribeiro e Eduardo Metzner

Paulo Eduardo Guimarães – O Iconoclasmo Acrata na década de 20

Um Documento Eborense de 1921

Juventudes Sindicalistas Portuguesas – Declaração de 1926

Manuel Hipólito Almeida Santos – As Prisões Portuguesas

Paulo Borges – Desaforismos

José Pedro Zúquete – O Anarquismo está de Volta?

João Freire – A Acção anarquista, Hoje e há Cem Anos

Jorge Leandro Rosa – Forjar o Regresso do Anarquismo

Entrevista com a União Pacifista de França

Henry David Thoreau – Amizade

António Cândido Franco – Thoreau e a Moderna Tradição Libertária

Maria Antónia Lima – A Contradição é uma Libertação

Manuel Neto dos Santos – Figurações do Real

José Pais de Carvalho – A Face da Luz

Francisco Cardo – Dois Poemas

Manuel Silva Ramos – Baptista-Bastos [1932-2017]

Maria Natália Duarte Silva – Dois contos inéditos

–– poema

Maria Braga & Maria Paiva – Poesia de Maria Natália Duarte Silva

Mário Brochado Coelho – O Sonho e a Morte

Padre Mário de Oliveira – Carta a Miguel Teotónio Pereira

José Dias – Mater et Magister

José Carlos Costa Marques – Atravessando as Idades

Miguel Teotónio Pereira – Primeiro Poema, caso seja 1 Poema

Raquel de Barros – J. Salazar Sampaio (Os Bastidores do dramaturgo)

Jaime Salazar Sampaio – Inédito comentado por Risoleta Pinto Pedro

João Carlos Raposo Nunes – Jaime Salazar Sampaio

Risoleta C. Pinto Pedro – O Homem Drama

João Sousa – poema de comboio #69

André Alves – “Que o teu nome fosse o tempo”

Beatriz de Almeida Rodrigues – “as meninas de foucault giram e giram”

Emanuel Madalena – Dois Poemas

Inês Francisco Jacob – Salvé

Marta Esteves – Dois Poemas

Nuno Mangas-Viegas – Setembro: as suas Cabeças

Vasco Macedo – Tempo da Septuagésima

LEITURAS & NOTAS

Hilário Marques – Editoriais d‟ A Sementeira [1918/19]

Museu Kropotkine [texto de 1924 – A Batalha]

José Manuel Martins – Olhos de Luz Acesa

Carlos Júlio – Sobre um Livro de Carlos Taibo

Teófilo Braga – Adriano Botelho [1892-1982]

Júlio Henriques – Carlos da Fonseca [1940-2017]

–– Duas Notas de Leitura [Marc Badal e H. Martins de Carvalho]

Janet Biehl – Paradoxos da Luta do Povo Curdo

Amedeo Bertolo – A Histñria do “A” dentro dum Círculo

António Cândido Franco – Camus Libertaire

Silvia Guiard – Buenos Aires: Surrealismo en la lucha contra la DMichael Löwy – Benjamin Péret e a Comuna dos Palmares

A. Cândido Franco – Cândido Costa Pinto [1911-1976]

–– Mário Cesariny e a revista Seara Nova

Rui Sousa – James Douglas Morrison

Jorge Martins – A Inquisição e o Judaísmo em Belmonte

Pedro Martins – Agostinho da Silva, o Marrano do Divino

Sofia A. Carvalho – Triénio: Teixeira de Pascoaes

Luís Andrade – Outra História: Revistas e Itinerários Digitais

António Baião – A Aporia Libertária e as Revistas Anarquistas

Editorial da revista A Ideia n.º 30/31 (Outono de 1983)

ARQUIVO & REGISTO

Novos Colaboradores

Descarregar (PDF, 37 Mb)

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s